Mato Grosso,
Quinta-feira,
13 de Agosto de 2020
informe o texto a ser procurado

Notícias / Polícia

28/07/2020 | 12:06

Defesa de adolescente que matou amiga no Alphaville nega o sumiço da família

Redação TV Mais News

Defesa de adolescente que matou amiga no Alphaville nega o sumiço da família

Foto: Rogério Florentino

O advogado Renan Serra, que patrocina a defesa da família da adolescente de 14 anos, que matou, com um tiro supostamente acidental, a sua amiga Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, no condomínio de luxo Alphaville, em Cuiabá, disse nesta terça-feira (28), após depoimento dos irmãos da acusada, que a situação é bastante difícil. Ele voltou a negar que o empresário Marcelo Cestaria e seus familiares tenham ‘sumido’ da cidade.

“É uma situação difícil, acredito que todos consigam imaginar. É um peso grande que todos tentam compreender. Tanto é que não existe a questão do sumiço. A família, momentaneamente, decidiu sair da residência por conta da tragédia. A defesa compareceu, deu por intimada, estamos no prazo para manifestar”, pontuou o advogado.
 
Renan Serra ainda acrescentou que não acompanhou os depoimentos feitos nesta terça-feira, já que- como envolve menor de idade – é feito utilizando uma técnica especial da Polícia Civil.

A família deixou a delegacia por um dos portões, longe da imprensa.

O advogado também explicou que, até o momento, não houve nenhum pedido para que a adolescente e o pai, Marcelo Cestari, sejam ouvidos em novo depoimento.
 
Depoimento dos irmãos
 
Os dois irmãos chegaram acompanhados da mãe, Gaby Soares de Oliveira Cestari, 44 anos e do advogado Renan Serra. Nenhum deles quis se pronunciar na chegada a unidade especializada. Segundo o defensor, eles somente irão conversar com a imprensa após a tomada do depoimento.
 
O laudo de necropsia da adolescente Isabela Guimarães Ramos concluiu que a jovem estudante levou um tiro de uma curta distância.
 
No laudo que tem 42 páginas, os peritos da Politec, explicam que a morte ‘deu-se em decorrência de um traumatismo crânio-encefálico por ação de instrumento pérfuro-contundente, com disparo de arma de fogo a curta distância.
 
Isabele morreu com um tiro na cabeça (entrou na região da narina e saiu pela nuca), efetuado pela amiga ao manusear uma pistola PT 380, dentro do condomínio Alphaville I, no bairro Jardim Itália, em Cuiabá.
 
O Ministério Público Estadual (MPE) apontou no mandado de busca e apreensão, deferido pela juíza Cristiane Padim da Silva, da 2ª Vara Especializada da Infância e Juventude da Comarca de Cuiabá, que o empresário Marcelo Cestari teria feito várias ligações a terceiros antes da chegada do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu) à sua residência, no condomínio Alphaville, local em que a adolescente Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, foi morta.
 
Um menor de idade, ouvido como testemunha no caso contradisse a versão apresentada pelo empresário Marcelo Cestari, em depoimento à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
 
O adolescente contou que o empresário estaria na sala da casa quando aconteceu o disparo que matou Isabele.
 
Tal fato vai contra o que disse o empresário em seu depoimento. Na semana passada, Marcelo contou que estava comendo a sobremesa do jantar, na área externa próximo a piscina da casa.
 
O empresário então contou que escutou um barulho, parecendo com o de uma porta de vidro fechando.
 
Consta ainda no documento de Marcelo que a porta estaria fechada e, por conta disto, não teria identificado que se tratava de um disparo de arma de fogo.

Fonte - Olhar Direto 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Assista Ao Vivo
 
Sitevip Internet